Quanto você gasta de taxas e impostos na sua conta de luz?

A conta de energia elétrica é uma das maiores vilãs no bolso do cliente ao final de todo mês.

Quem nunca acreditou que estava economizando e ao chegar a fatura da energia elétrica notou que o valor apenas aumentou?

Para entender o porque isso às vezes acontece, é necessário entender como a fatura de energia elétrica funciona, qual o seu real gasto, quais são os impostos e a bandeira tarifária vigente.

Nessa matéria tentaremos esclarecer algumas dúvidas mais comuns sobre a fatura da conta de luz da eletropáulo.

Impostos, siglas e significados

Se você está com uma fatura de conta elétrica nas mãos pode notar que boa parte dela é destinada a descrição do faturamento.

Lá notamos que existe muita coisa além do consumo por kWh.

Estamos falando sobre os impostos que tornam a energia elétrica uma das mais caras no mundo.

COSIP

Esse imposto é destinado a iluminação pública de qualidade na cidade.

TUSD

Tarifa de uso do sistema elétricos de distribuição. É uma das tarifas que compõe o preço nos contratos de energia elétrica. Nele está incluso as taxas de transporte e manutenção da energia elétrica.

TE

Trata-se do valor monetário estipulado pela ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – em R$/MWh

Encargos Setoriais

Os valores dos encargos setoriais não são discriminados na fatura de energia elétrica, entre eles temos:

  • Conta de Desenvolvimento Energético (CDE);
  • Reserva Global de Reversão (RGR);
  • Encargo de Energia de Reserva (EER);
  • Taxa de Fiscalização de Serviços de Energia Elétrica (TFSEE);
  • Operador Nacional do Sistema (ONS);
  • Encargos dos Serviços do Sistema (ESS).

Custo de Serviços Diversos

Entre os tributos recolhidos pela concessionária, existem tributos federais, estaduais e municipais. Na esfera federal temos: Programa de Interação Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS).

Na esfera estadual temos: ICMS, estes variam de estado para estado, variando de acondo com o código tributário da região.

Na esfera municipal temos: Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP) ou a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (COSIP)

Bandeiras tarifárias

Outro fator que pode acabar aumentando a conta de energia são as bandeiras tarifárias, elas se alternam entre verde, amarelo e vermelho, e não possuem uma época específica para ser instaurada, variando conforme as condições de geração de energia elétrica.

Bandeira verde: Esta bandeira não gera acréscimos na tarifa, indica condições favoráveis para a geração de energia.

Bandeira amarela: Indica que as condições de geração de energia estão menos favoráveis. A tarifa sofre um aumento de 0,010 por kWh consumidos

Bandeira Vermelha – Patamar 1: A tarifa aumenta 0,030 por kWh consumidos. Indica uma produção de energia com custos acima do normal.

Bandeira Vermelha – Patamar 2: A mais cara entre as bandeiras tarifárias, ela indica um alto custo para a geração de energia. Seu valor é de 3,50 para cada 100 kWh consumidos

Bandeira Branca

A bandeira branca ficou disponível desde o dia 1º de janeiro de 2019.

Esta bandeira é uma alternativa para os clientes que conhecem suas contas de energia e possuem um gasto mensal de 250 kWh ou mais.

A tarifa branca oferece ao consumidor um maior controle sobre a sua própria conta de energia elétrica já que possui tarifas diferentes para horários diferentes.

Nos dias úteis, as tarifas são separadas entre: ponta, intermediário e fora de ponta. Finais de semana e feriados são considerados tarifa branca nas 24 horas.

Posted on